Como definir as métricas para o respeito? O que significa para mim? E para você?

Até onde o respeito chega e em que momento se transforma em desrespeito? Quem define?

Entre todos nós existe uma linha imaginária que cada um define como o limite da liberdade, intimidade e respeito. São linhas tênues e muito subjetivas que se entrelaçam com as mais variadas intensidades.

Percebemos o atributo do respeito como um dos mais julgados em função de sua vulnerabilidade quando se quer estabelecer parâmetros.

Nestes tempos de reclusão e afrouxamento, temos nos deparado com inúmeros comportamentos facilmente julgáveis. Provavelmente todos temos sentado na cadeira do juiz, local que deveríamos analisar muito antes de querer assumir, cada um com seus níveis de compreensão e consciência. Tem sido mais do que normal nos impressionarmos com a falta de respeito, em muitos casos generalizado, por grande parte dos nossos semelhantes.

Por algum motivo muito especial, o respeito, assim como o amor, a vontade, a raiva, entre tantos outros sentimentos, não tem peso nem medida, pois somos livres para senti-los, exercê-los e por que não, julgá-los.

O respeito em si, acredito ser em sua atitude, o ato de cuidar, de se colocar no lugar do outro, de parar antes que seja solicitado, de silenciar frente à dor, de agir por ajuda, de esperar a ordem alheia, de não invadir os espaços nem liberdades concedidas. Respeitar vai muito além para aqueles que compreendem sua grandeza, sua educação, sua categoria e por que não dizer, seu caráter.

Pelo respeito, conquistamos o próximo, mantemos e reconstruímos relações, ajudamos e apoiamos causas, damos poder a quem o merece, demonstramos empatia às diferenças, silenciamos possíveis ofensas e até agressões.

Elevar o nível de respeito deve ser uma responsabilidade, um hábito constante e progressivo das lideranças e de qualquer poder, seja lá qual for o grupo: familiar, corporativo, num condomínio, numa nação. Damos espaço ao desrespeito por exemplos impensados, atitudes, gestos, palavras mal colocadas ou respostas mais ácidas. O respeito aumenta ou diminui pela lei da reciprocidade.

Avaliar e refletir o nível de respeito que exercemos deve ser um hábito constante.

Manter o respeito mesmo quando ele é colocado à prova, é sem dúvida, um ato heroico, proveniente do autocontrole, disponível aos portadores de alta resiliência emocional.

Respeito é bom e eu gosto, mas quem não gosta?

Informe seu e-mail:
ME INSCREVER

Receba meus artigos diretamente no seu e-mail

Se mantenha atualizado, assim que postar um novo artigo no blog você será avisado.
close-link