Crie desafios capazes de amedrontar a si mesmo

Para mim a adrenalina sempre foi necessária, e ela só começa a agir em

situações de risco. Para as pessoas que têm como alimento da motivação a

adrenalina, procurar situações de risco em quase tudo o que faz é uma atitude quase cotidiana. Quanto mais agüentamos o frio na barriga, o estresse, maior pode ser nossa conquista.

Essa sensação com certeza é mais aflorada na juventude. Conforme a vida vai

nos impondo um nível maior de responsabilidade, vamos começando a mensurar com mais cautela os riscos. Nos negócios não é diferente. Uma grande diferença nos negócios é até onde você pode correr riscos sozinho, comprometendo somente as suas reservas, e até onde seu risco compromete vidas alheias, suas realidades familiares e seus sonhos.

Aquele que gere seu próprio negócio tem de ter a dimensão de sua responsabilidade, se está trabalhando apenas com um punhado de garotos —eles também simplesmente no afã de aceitar novos desafios —, ou se está à frente de um grupo de 60 ou mais pessoas que têm suas próprias responsabilidades e são responsáveis direta ou indiretamente pela vida de um ou mais familiares.

Por mais que se entenda a missão de um empresário com a sociedade, seja essa missão pequena, média ou gigantesca, ela é pouco compreendida na sua amplitude. Existe no cotidiano uma série de decisões que implica diretamente nas bases, embora pouco ou praticamente nada desta missão seja percebida pelas pessoas que, por diversas vezes, criticam as atitudes —quando elas são tomadas —e criticam a acomodação —quando as atitudes tomadas não são visíveis.

À medida que uma empresa vai crescendo, as responsabilidades daquele que está à sua frente passam a ser encaradas de maneira prática e acabam sendo inseridas na cultura e nos procedimentos da empresa de tal forma, que até mesmo o próprio gestor passa a fazer parte da engrenagem como algo simplesmente inerente ao processo.

Sabemos que o líder de uma empresa precisa inventar o amanhã, tocar o barco, mas também sabemos que a adrenalina faz parte de sua motivação e os desafios jamais poderão deixar de ser criados: só os desafios que amedrontam podem desafiar o suficiente para que ele continue a impulsionar sua empresa, para que ela continue a crescer e para que ele próprio se mantenha à frente com responsabilidade e maior dose de adrenalina.

Cabe a cada empresário ter a habilidade necessária para continuar a peregrinação da sua missão ou correr o risco de voltar ao ponto de partida por não ter corrido risco algum. Diante da bifurcação do SIM e do NÃO, a escolha vai depender do maior ou menor grau de adrenalina para aceitar os desafios.

Deixe um comentário