Todos temos um caminho e este deve ser perseguido e desbravado com persistência. Colocado assim de maneira simplória, parece fácil, prático. Confesso que sempre busquei as mais variadas formas e maneiras de explicitar com contundência este assunto e acredito, até hoje, ainda estar longe do modelo ideal.

Outro dia, voltei a assistir uma palestra do Prof. Mario Sergio Cortella, a quem devo enorme respeito e admiração por sua exemplar capacidade e humildade na síntese dos mais complexos assuntos que rodeiam a nossa vida. Se ainda não o conhece, procure, leia e principalmente escute o que ele tem a dizer.

Em suas colocações, ele não se cansa de virar e revirar o assunto Educação, a perda do entendimento sobre os processos naturais da vida e a banalização do convívio familiar, assuntos de extrema importância que infelizmente vem perdendo força ao longo destes últimos 20 ou 30 anos.

A colocação de existir um caminho vem totalmente ao encontro dos temas atuais sobre Educação e, principalmente, da calma no processo de entender e amadurecer o conhecimento e os processos construtivos. A ânsia pelo encontro imediato do pronto vem cegando uma geração que se nega, em parte, a querer compreender os caminhos percorridos e assim acaba por ficar, muitas vezes, sem ter ao menos um caminho para seguir atrás de alguém, quanto mais encontrar o seu próprio.

Caminhos existem, sabemos disso, mas cada um tem o seu, cada um decide no dia a dia por suas escolhas e, queira sim ou não, acaba por encontrar um e, simplesmente cai de paraquedas em algum caminho já existente, que talvez não leve a lugar algum. O tempo, como conhecemos hoje, voa e de repente ao acordar,  já não há mais nada a fazer ou todo esforço não é mais suficiente para regenerar a estrada.

Sim, existe um caminho e este é baseado no entendimento e respeito ao passado, na disciplina e atenção ao presente e na visão e predisposição do hoje diante do futuro. Seja o rastro do passado ou os resultados do futuro, estão baseados única e exclusivamente nas escolhas do presente e estas devem ser cautelosas, dialogadas, estudadas com muita dedicação e, principalmente, a atenção de suas correções e enfrentamentos sérios e comprometidos.

Não estou aqui no papel de um moralista austero, coisa que estou longe de ser, mas sim no papel de um amante do ser humano em busca de colaborar e dar ao próximo uma luz e/ou um apoio a seu encontro com o caminho capaz de levá-lo ao destino de seus maiores sonhos e objetivos.

Acredite. Sim, existe um caminho, então vá.

Informe seu e-mail:
ME INSCREVER

Receba meus artigos diretamente no seu e-mail

Se mantenha atualizado, assim que postar um novo artigo no blog você será avisado.
close-link