Intuição. O que isso tem a ver com sua vida e quanto você a utiliza em suas decisões?

Gerir uma empresa com parte da base de decisões apoiada em raciocínios intuitivos implica, diretamente, a capacidade de seus líderes mensurar riscos e oportunidades, tentativas e erros. Podemos fazer, em linhas gerais, um paralelo da intuição com qualquer modalidade de esporte: treino constante, disciplina e determinação geram habilidades que diferenciam uns atletas de outros atletas.

A mente intuitiva muitas vezes toma decisões não compreendidas, mas que já estão inseridas num cenário maior. A intuição deflagra atitudes antecipadas que se ligam logo à frente. O jogo da intuição instiga, pois é arriscado e emocionante: seus frutos colocam o gestor à prova e, na conta final, entre acertos e erros, os resultados começam a surgir, ora fisicamente, ora no aprendizado da vida.

A intuição sempre gera resultado. Confiar nela demonstra convicção, segurança e responsabilidade. Muitas vezes intuição demora a gerar resultados, sendo necessário esperar para aflorarem seus valores de crença e determinação.

Intuir para decidir é divertido, causa frio na barriga e muita ansiedade. Reflete a coragem daquele que a explora e expõe seus aprendizados ao mundo real.

Praticamente todas as pessoas têm essa capacidade, mas muitos a escondem ou se amedrontam diante da sua forte presença, sendo poucos os que transformam em realidade as idealizações e fortalecem os paradigmas diante dela.

Um bom exercício é experimentar brincar com a intuição em assuntos menos importantes e começar a abusar dela, sempre mensurando a própria capacidade de suportar possíveis erros. Os resultados podem ser surpreendentes. As chances daquilo que se intuiu se tornar realidade é sempre de 50%, e isso é no mínimo animador.

Vá em frente! Acredite em VOCÊ. Aposte em sua intuição. Sempre.

Deixe um comentário